Delegado aponta 'interferência' no caso Milton Ribeiro, e PF manda abrir apuração interna

  • 23/06/2022
Preso, ex-ministro da Educação teve 'honraria', disse delegado. Por ordem judicial, Milton Ribeiro deveria ter sido transferido para Brasília, mas permaneceu em SP até conseguir ser solto. Delegado da PF diz que houve interferência na condução do caso Milton Ribeiro A Polícia Federal divulgou nota nesta quinta-feira (23) na qual anunciou a abertura de um procedimento interno para apurar "boatos de possível interferência" na operação que levou à prisão o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro — ele foi solto na tarde desta quinta por ordem do desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). Na nota, a PF não esclarece o que seria a "possível interferência". Na véspera, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que a prisão de Ribeiro era um "sinal" de ele que não interfere na PF. "Considerando boatos de possível interferência na execução da Operação Acesso Pago e objetivando garantir a autonomia e a independência funcional do Delegado de Polícia Federal, conforme garante a Lei nº 12.830/2013, informamos que foi determinada a instauração de procedimento apuratório para verificar a eventual ocorrência de interferência, buscando o total esclarecimento dos fatos", diz o texto da nota. Mas, em mensagem interna a colegas da PF, o delegado Bruno Callandrini disse que houve "decisão superior" para que Ribeiro não fosse transferido para Brasília, conforme determinação judicial emitida na quarta-feira por um juiz federal. A TV Globo teve acesso à mensagem (leia a íntegra mais abaixo), depois de o jornal "Folha de S.Paulo" ter publicado a informação. Em razão da "decisão superior", escreveu o delegado, ele deixou de ter "autonomia investigativa e administrativa para conduzir o Inquérito Policial deste caso com independência e segurança institucional". "Falei isso ao Chefe do CINQ [Coordenação de Inquérito nos Tribunais Superiores, da Polícia Federal] ontem, após saber que, por decisão superior, não iria haver o deslocamento de Milton Ribeiro para Brasília e manterei a postura de que a investigação foi obstaculizada ao se escolher pela não transferência de Milton a Brasília à revelia da decisão judicial", escreveu o delegado na mensagem. De acordo com o delegado, foram concedidas ao ex-ministro "honrarias não existentes na lei". "O principal alvo, em São Paulo, foi tratado com honrarias não existentes na lei, apesar do empenho operacional da equipe de Santos que realizou a captura de Milton Ribeiro, e estava orientada, por este subscritor, a escoltar o preso até o aeroporto em São Paulo para viagem a Brasília", escreveu. Desembargador manda soltar ex-ministro de Bolsonaro Milton Ribeiro e outros quatro presos pela PF Ministro é solto Na tarde desta quinta, Milton Ribeiro deixou a carceragem da Polícia Federal na capital paulista. Ele foi solto por volta das 15h, depois de o desembargador Ney Bello, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1), cassar a prisão preventiva determinada pelo juiz federal Ricardo Borelli, da 15ª Vara da Justiça Federal de Brasília. Na decisão, o juiz Borelli havia determinado a transferência de Milton Ribeiro para Brasília, onde seria ouvido em audiência de custódia no início da tarde. A Polícia Federal, no entanto, argumentou que, naquele momento, estava sem condições "logísticas" de transportar o ex-ministro de São Paulo para a capital federal. Ribeiro foi preso na quarta-feira (22) pela Polícia Federal. Ele é investigado por corrupção passiva, prevaricação, advocacia administrativa e tráfico de influência por suposto envolvimento em um esquema para liberação de verbas do Ministério da Educação (MEC). O suposto esquema envolvia pastores que teriam prometido a prefeitos a liberação de verbas do ministério mediante pagamento de propina. Mensagem Leia abaixo a íntegra da mensagem que o delegado responsável pela investigações enviou a colegas: Muito obrigado a todos pelo empenho na execução da Operação Acesso Pago. A investigação envolvendo corrupção no MEC foi prejudicada no dia de ontem em razão do tratamento diferenciado concedido pela PF ao investigado Milton Ribeiro. Vejo a operação policial como investigação na essência e o momento de ouro na produção da informação/prova. O deslocamento de Milton para a carceragem da PF em SP * é demonstração de interferência na condução da investigação, por isso, afirmo *não ter autonomia investigativa e administrativa para conduzir o Inquérito Policial deste caso com independência e segurança institucional. Falei isso ao Chefe do CINQ ontem, após saber que, por decisão superior, não iria haver o deslocamento de Milton Ribeiro para Brasília, e, manterei a postura de que a investigação foi obstaculizada ao se escolher pela não transferência de Milton a Brasília à revelia da decisão judicial. As equipes de Gyn, Brasília, Belém e Santos, que cumpriram a missão de ontem, trabalharam com obstinação nas ruas e no suporte operacional, um trabalho hercúleo para o cumprimento dos mandados durante a Operação Acesso Pago, literalmente se esforçaram 24/7 e foram aguerridos em capturar todos os alvos. Faço referência especial às equipes de GYN que, mesmo após a prisão, ainda escoltaram os presos via terrestre, para a SR/PF/DF, incontinenti. No entanto, o principal alvo, em São Paulo, foi tratado com honrarias não existentes na lei, apesar do empenho operacional da equipe de Santos que realizou a captura de Milton Ribeiro, e estava orientada, por este subscritor, a escoltar o preso até o aeroporto em São Paulo para viagem à Brasília, Quantos presos de Santos, até ontem, foram levados para a carceragem da SR/PF/SP? É o que tinha a manifestar em lealdade a vocês que cumpriram a missão de ontem com o espírito do verdadeiro policial feceral. Abraço.

FONTE: https://g1.globo.com/politica/noticia/2022/06/23/delegado-aponta-interferencia-no-caso-milton-ribeiro-e-pf-manda-abrir-apuracao-interna.ghtml


#Compartilhe

Aplicativos


Locutor no Ar

Top 5

top1
1. Essa casa é sua

Casa Worship

top2
2. Aquieta Minh'alma

Ministério Zoe

top3
3. Não pare

Midian Lima

top4
4. Ninguém Explica Deus

Preto no Branco

top5
5. Deus proverá

Gabriela Gomes

Anunciantes